#LA2012MJ: Viagem à Neverland, Santa Bárbara

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Domingo de sol, um céu lindo e nós de pé às 6hs da matina! Tomamos café, nos arrumamos e às 7h15 lá fomos nós para Santa Monica, encontrar o Japa, aquele amigo meu, ex-namorado da Karisa, que me recebeu em LA, em 2010, lembram que eu contei? Pois é! Claro que Japa ia participar deste roteiro, ou acharam que eu ia deixar de ver amigos queridos por lá?rs

Bem, nos encontramos às 8h05 e na tentativa de irmos todos num carro só, na SUV do Japa, foi por água abaixo quando não coube todo mundo… Já era meu “day-off”, de motorista! Acabou que a Dri e a Leninha foram com o Japa, e a Cris e a Rosângela foram comigo. Saímos de lá e seguimos por Malibu, com uma paisagem a beira mar, linda de morrer, nos acompanhando. Paramos para abastecer e lá veio a minha surpresa: Acredita que posto de gasolina de Malibu não aceita cartão de crédito brasileiro, mesmo que internacional? #Frustrei me! Bom, dei em dinheiro pro Japa e ele passou o dele.
Carros abastecidos, pé na estrada, rumo à Santa Bárbara, cidade de Los Olivos, para as meninas conhecerem Neverland. Na estrada eu descobri que além de gostar de carros, o japa adora velocidade! Várias vezes tive que chamá-lo no rádio e chamá-lo de “pé de chumbo”, e pedir para maneirar, pois o Honda Civic não aguentava acompanhá-lo. Mesmo assim,  andamos numa média de 140…150km/h, (mas sim, acredite, eramos ultrapassados por MUITOS, lá o normal é ser pé de chumbo!rs). Mas não foi só velocidade na estrada! Paramos algumas vezes, nos acostamentos, para apreciar aquelas paisagens, ver o mar, fotografar aquela obra divina que só a FWY 1 proporciona… E não é só a paisagem em si, é a paz, a tranquilidade que aquela estrada proporciona.  Para mim, em especial, depois da emoção toda do Cirque Du Soleil, foi importante receber aquela paz que só o mar consegue dar…
Por volta das 11hs da manhã, avistamos a placa de Los Olivos e logo  chegamos na estrada de Neverland, o GPS sinalizou nossa chegada e o Japa me chamou no rádio para avisar que o endereço tinha algum problema, pois tínhamos chego, mas não tinha nada ali, além de vacas e pasto….rs… Expliquei para ele o caminho a seguir a partir dali, pois quando chegamos no endereço de Neverland, disponível na Internet, na verdade, estamos próximos, mas não é lá…rs
Quando chegamos realmente, estacionamos e as meninas começaram a inspecionar aquela entrada, ver os recados nas paredes, as pedras desenhadas, as mensagens, fotos, todo aquele carinho e admiração que os fãs deixam por ali, desde 1988.
É emocionante ver tanto carinho, tanta dedicação durante tantos anos. Aquelas pedras da fachada de Neverland contam a história de Michael Jackson, contam sentimentos dos quatro cantos do mundo, evidenciam um amor além da vida, é lindo de ver, mas é forte também.
Fizeram fotos das peculiaridades, de todas juntas, com e sem bandeiras, oraram. Eu me dividi entre mais fotos de Neverland, ler as novas mensagens por ali deixadas e conversar com o Japa, colocar o papo em dia, saber como andam as coisas em LA, enfim…
Tentamos também conversar com os seguranças da portaria, ver qualquer possibilidade de entrarmos, conhecer qualquer metro adentro das fronteiras de Neverland. Mas, embora tenha sido bastante simpático, não nos deixou entrar, como era esperado. Disse ele que apenas a família Jackson tem permissão de entrar em Neverland.
Por volta das 12hs30 saímos de lá e seguimos para o norte, rumo à Santa Maria: era hora de conhecer o Tribunal de Santa Maria, onde Michael foi julgado pelas 9 acusações absurdas e absolvido de todas elas. Chegamos lá e nos deparamos com o tribunal em reforma. Confesso que não sei se foi bom ou ruim, pois já foi difícil ver o tribunal em reformas, se estivesse intacto, creio que seria ainda pior. 
 
As meninas reagiram de formas diferentes, umas queriam fazer fotos de tudo o que fosse possível, outra mal fotografou e voltou para o carro, eu tentei fotografar, mas confesso que é um lugar de energia complicada. Também pudera, ali não passam casos fáceis, não é só o de Michael, são várias histórias sofridas julgadas e decididas ali.
Ficamos pouco tempo ali e fomos almoçar. O Japa achou um restaurante com comida mesmo ali perto e lá fomos nós. No restaurante, a garçonete, uma loira, alta de olhos claros, típico biótipo americano, nos viu com camisetas de Michael Jackson e se encantou, se relevou fanzassa também e até tirou fotos conosco.
De lá voltamos para Santa Bárbara, fizemos fotos na beira mar, visitamos o píer de Santa Bárbara, fizemos fotos, conversamos, rimos, brincamos e logo pegamos a estrada de volta para Los Angeles. Chegamos rápido, (e como não? Lembra do pé de chumbo que é o Japa?rs), mas já de noite, e fomos direto para o Greek Park, ver as luzes de Los Angeles, do alto. As meninas fotografaram tudo por lá e, devido ao frio que fazia lá em cima, descemos logo para LA e fomos para a loja sebo de música, onde encontraram cd’s e dvd’s com bons preços, alguns até raros. Elas se divertiram por lá, em especial a Leninha, a mais “compradeira” de coisas sobre MJ.
De lá fomos para o Starbucks tomar café e chocolate quente, para ver se melhorava o frio. As meninas encheram o Japa de perguntas sobre a vida de brasileiro em LA, tempo que está lá, dificuldades, preconceito, a luta que é para vencer lá, saudades da família e amigos, enfim. Depois fomos pro hotel e lá nos despedimos do Japa e foi a hora de descansarmos para o dia seguinte.
Para mim o dia foi intenso. Ir à Neverland é sempre difícil… Lembro que a primeira vez fui com a Karisa, num calor maluco, muita emoção e descobertas naquela cidadezinha linda, aquele pedacinho de Europa na California, romântica, bucólica, intensa, quente e de mar gelado, cara e linda…  Mas foi além disso, foi forte ver a emoção das meninas, por ser aquele o primeiro encontro com Neverland, e foi bom rever o Japa e passar o dia junto, depois de mais de um ano. É realmente alguém especial para mim, junto com a Ká e o Aguinaldo, são meus anjos em LA.
Bem, o dia acabou e fomos descansar, pois o dia seguinte seria regado por museus cheios de emoções e relíquias de Michael Jackson, que eu conto no próximo post. Até lá!

Sobre FêRabaglio

Designer gráfico, autora do Blog Vou Pra California e Guia Para Orlando, apaixonada por Las Vegas, California e Orlando, minha história com este universo começou logo após o término na universidade, quando decidi passar um tempo na California fazendo Intercâmbio! Queria conhecer a terra do cinema e das palmeiras, estudar inglês, mas de uma forma mais econômica do que os tradicionais intercâmbios. Foi aí que minha jornada começou, que me apaixonei por este tema e logo dei início ao Blog que hoje ajuda tantas pessoas a encontrarem suas trilhas com destino na California!

6 Comentários


  1. aaaaaaaaaaaaaaa morri com a foto de vcs em frente neverland meninas q felicidade e tristeza ao mesmo tempo em velas la mas fico feliz por vcs beijokas

    Responder

  2. Faremos esta foto em 2013, Daya!!!
    Não foi a minha primeira foto lá, mas a emoção é sempre muito forte. A energia de Neverland é inexplicável mesmo, Nanda!!!

    Responder

  3. Uau deve ser uma sensação inexplicável, conforme meus planos, em breve poderei sentir tudo isso o vivo e a cores!!!

    Luana…

    Responder
  4. Beatriz

    Olá, vc poderia me passar o endereço de neverland? Porque aconteceu a mesma coisa, quando chegou aonde dizia ser não tinha nada

    Responder

    1. Olá, Beatriz!
      Não tem um endereço com rua, número e tudo certinho.
      eu cheguei a primeira vez porque me perdi….rsrs… Depois aprendi o entra e sai para chegar.
      É perto do endereço divulgado, mas não é lá e não tem um número na frente e nem achei o nome da rua… =/
      É aquele lugar que se sabe ir, mas não se tem endereço, entende?
      O que posso te dizer é que é lá perto…rs

      See ya

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>